16h46 - quinta, 10/05/2018

La Lys


António Martins Quaresma
Passado, em 9 de Abril, um século sobre a batalha de La Lys, esta foi amplamente lembrada em Portugal: o próprio Presidente da República português deslocou-se, com o Presidente francês, ao cemitério de Richebourg, para homenagear os soldados portugueses mortos.
Vou falar um pouco sobre o assunto, não enquanto "professor e historiador", como sou apresentado nestas crónicas, mas como simples observador, com idade para ter frequentado uma escola em que a batalha de La Lys, um completofracasso militar, era mitificada como um eloquente momento de sacrifício e heroísmo do soldado português. Além disso, em criança, ouvi alguns relatos do meu avô materno (através de minha avó, pois o meu avô morreu cedo), que foi, em 1915, mobilizado para África, onde já decorriam confrontos com os alemães, e mal regressou, embarcou, em Agosto de 1917, para a França, onde a guerra se feria, violenta, entre os principais exércitos europeus e se preparava a entrada dos Estados Unidos.
Como a maioria dos soldados portugueses, a sua motivação para combater numa guerra que não entendia era nula. Ao que parece, a primeira coisa que fez, ao chegar a França, foi procurar escapar a ser enviado para a frente. Prática comum. Escapar e voltar para a vida que deixara em Portugal era o seu único objectivo. No fundo, ele integrava um corpo expedicionário desmotivado, mal treinado e frequentemente mal comandado, sem a mínima possibilidade de se poder bater com uma tropa moderna e altamente eficaz como a alemã.
Em todas as guerras, os países precisam dos seus heróis. Em Portugal, o grande herói da I Guerra Mundial, e concretamente da batalha de La Lys, foi o conhecido soldado "Milhões", que recebeu a maior condecoração nacional, a Ordem Militar da Torre e Espada. Numa entrevista ao velho herói (disponível na Internet, em: https://www.youtube.com/watch?v=NLapXBWGUKw), "Milhões" menciona um curioso episódio em que soldados alemães atacam vestidos com fardas portuguesas, facto completamente inusual e verdadeiramente inadmissível, decerto fruto da sua imaginação no alucinante e caótico ambiente do campo de batalha. Não admiraria que o nosso herói tivesse acabado por fazer algum do trabalho dos alemães, isto é, tivesse disparado a metralhadora sobre os próprios compatriotas, num exemplo de "fogo amigo" de que hoje, por vezes, se fala.
Estreou há dias, nos cinemas, um filme com o título "Soldado Milhões", de Gonçalo Galvão Teles e Jorge Paixão da Costa, que não vi, mas, dizem-me, trata essa dualidade do homem comum que as circunstâncias, militares e políticas, transformam em herói oficial. Porém, tratando-se de ficção histórica, possivelmente não abre uma janela nova para a compreensão deste período da história portuguesa e europeia.
Alguma produção historiográfica recente sobre a presença de Portugal na I Guerra Mundial, tema persistente no imaginário português, tem permitido um maior conhecimento sobre as questões militares, económicas e sociais, entre outras, que envolveram essa participação no conflito, ultrapassando-se a fase da mitificação e da utilização nacionalista. Conhecimento que é, afinal,o único caminho para se entender não só essa participação, mas ainda muito do que Portugal então era (e ainda é?).



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 25/06/2019
Speed Talent:
um projecto para
jovens empreendedores
O projecto Speed Talent-Acelerador de Talentos já arrancou por todo o Alentejo e também na região do Ribatejo.
07h00 - terça, 25/06/2019
Governo defende importância
dos portinhos de pesca
O secretário de Estado das Pescas defende a importância dos portinhos de pesca artesanal num momento em que se fala tanto da "economia do mar" e de grandes projectos ligados ao sector.
07h00 - terça, 25/06/2019
Bloquistas do
Alentejo Litoral
reuniram em Santiago
A agricultura intensiva, o transporte ferroviário e os direitos laborais foram algumas das questões em debate no primeiro Encontro do Alentejo Litoral do Bloco de Esquerda (BE), que se realizou no passado sábado, 22, em Santiago do Cacém.
07h00 - segunda, 24/06/2019
"Transporte a Pedido"
no concelho de Odemira
Melhorar as condições de mobilidade no concelho de Odemira, sobretudo nas freguesias do interior, é a grande meta do "Transporte a Pedido", projecto que a Câmara de Odemira conta lançar no segundo semestre deste ano.
07h00 - segunda, 24/06/2019
Acordo ambiental para
a lagoa de Melides
Um total de 14 entidades públicas e privadas subscreveram na passada semana o Acordo Ambiental para a Zona Húmida da Lagoa de Melides (Grândola), desenvolvido no âmbito do projecto europeu "WetNet".

Data: 21/06/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial