16h11 - quinta, 20/09/2018

A minha terra tem uma torre


Hélder Guerreiro
As minhas primeiras memórias, enquanto morador na "rua da pouca farinha" são de uma equipa de homens a conversarem e rirem alarvemente enquanto trabalhavam "empoleirados" nas paredes imensas do edifício de apoio à Torre.
A Torre, construída a partir do gargalo de um poço, impunha-se céu acima e como que retardava o nascer do dia na minha janela. Já lá estava quando, ainda uma criança, para lá fui morar. A Torre tinha uma coruja branca, enorme, que piava noites inteiras e que do ponto mais alto da Torre se lançava em voos que se ouviam da minha janela. Tinha densidade o voo da coruja da Torre, tinha mistério, tinha imaginário de vampiros, de bruxas e de histórias sem fim de crianças perdias na subida à Torre, picadas pelo bico enorme da coruja branca que era a guardiã da Torre.
Hoje recordo com carinho as noites em que me dedicava a ter medo do que poderia vir em voo do cimo daquela Torre.
Na verdade, hoje tal como então, a Torre é uma construção inacabada que ali está plantada no meio da vila onde eu nasci, envolvida por inúmeros edifícios enormes, também eles inacabados. É uma espécie de monumento aos sonhos inacabados, no meio de uma vila que ela própria é um desafio imenso por acabar.
A Torre foi o sonho de um homem à frente do seu tempo que resolveu ir morar para ali e ali construir uma fábrica de sofás. O sr. Ferreira, como sempre me habituei a chama-lo, era um homem diferente, difícil de perceber, mas prosperou a encher de sofás os prédios todos, que nasciam como cogumelos, no Algarve.
Essa fábrica deu emprego a muitos jovens de então, que hoje são os pais e avós dos filhos de São Teotónio. Foi onde muitos aprenderam o oficio de estofadores e de carpinteiros e foi essa fábrica que definiu aquela vila do sudoeste alentejano como um centro de referência no fabrico e comercio de móveis. Esses jovens cresceram, revoltaram-se com o sr. Ferreira e criaram a sua própria cooperativa onde, felizes, continuaram a encher de sofás o Algarve.
O fim da cooperativa é outra história que não cabe aqui, mas, na verdade, gosto de pensar que hoje São Teotónio tem tantas carpintarias e pequenas unidades de estofadores de enorme qualidade porque o sr. Ferreira, um dia, chegou no seu carro "boca de sapo" e decidiu fazer, ali, uma fabrica de sofás.
Fez também a Torre e os edifícios em volta. Diz que a Torre era para conseguir ver o mar dali, mas ele contou-me a história de que o que queria fazer era um hotel de luxo, lindo de morrer, a que daria o nome de "branca de neve e os sete anões" e onde a Torre seria a "branca de neve" (eu juro que isto é verdade).
Eu nunca fui de admirar "homens" providenciais, mas que existem pessoas que são capazes de definir oportunidades nos seus territórios e de mudar os destinos desses territórios isso existem. Quando penso no sr. Ferreira penso sempre no que seria hoje São Teotónio se ele tivesse "acabado" o sonho dele como outros o fizeram. Penso em Campo Maior e penso em muitos outros locais que de "interior" se fizeram "litoral".
O sr. Ferreira morreu, sozinho, na cama de um hospital. A Torre ali continua inacabada, servindo de suporte à estrela de natal na minha terra. As ruinas em volta da Torre são como uma ferida aberta no meio da vila. Mas, por incrível que possa tudo isto parecer, aquela Torre significa que o sonho persiste e que é possível, cada um de nós, fazer a diferença no futuro de todos nós. Não basta sonhar, mas isso já é um começo!

Autor escreve com o
Novo Acordo Ortogrráfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 12/12/2018
Bombeiros de Odemira e Milfontes
garantem resposta às populações
Apesar do conflito existente entre os bombeiros e o Governo, as corporações de bombeiros do distrito de Beja, entre as quais a de Odemira e a de Vila Nova de Milfontes, garantem que vão manter "os mesmos níveis de prontidão e eficiência" para apoiar as populações.
07h00 - quarta, 12/12/2018
AM Grândola quer reunir
com ministra da Saúde
A Assembleia Municipal de Grândola solicitou, "com carácter de urgência", reuniões à ministra da Saúde e ao conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Litoral Alentejano (ULSLA) para debater as "deficientes condições de funcionamento do serviço público de saúde no concelho" e do Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém.
07h00 - quarta, 12/12/2018
Cripta de Alcácer
com mais visitantes
A Cripta Arqueológica do castelo de Alcácer do Sal foi visitada por 8496 turistas entre Janeiro e Novembro de 2018, número que ultrapassa valores referentes a períodos homólogos anteriores desde a inauguração do espaço, em 2008.
07h00 - terça, 11/12/2018
Programa "365 Alentejo"
com candidaturas abertas
A Turismo do Alentejo, em parceria com a Agência Regional de Promoção Turística e o Turismo de Portugal, tem abertas até final do ano as candidaturas para a segunda edição do programa "365 Alentejo-Ribatejo", que visa a construção e promoção de um calendário anual de eventos "consistente e coerente".
07h00 - terça, 11/12/2018
CDS quer ambulância
SIV em Alcácer do Sal
O grupo parlamentar do CDS defende a colocação de uma ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) no concelho de Alcácer do Sal, por forma a melhorar a capacidade de resposta à população.

Data: 30/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial