12h09 - quinta, 14/03/2019

Rio Mira vai cheio (III)


António Martins Quaresma
"Nasce o dito rio do mar largo, discorrendo pela terra adentro seis léguas [...] e no seu nascimento do mar faz sua barra", escrevia, em 1758, o pároco de Milfontes, confundindo aparentemente as coisas. Na realidade, a sua descrição apercebe a influência determinante das marés no seu regime hidrológico, isto é, em todo o ambiente estuarino. É o "rio mestre de água salgada", conforme a expressão contida em registos de início do século XIX.
Ou como descrevia, em 1909, o botânico Gonçalo Sampaio, que herborizou nas suas margens:
"São cinco léguas sobre a corrente, é certo, não se vendo mais do que duas ou três herdades, nem descobrindo outra coisa, como paisagem, que não seja cerros incultos e abandonados; mas, em compensação, que agradáveis surpresas com a descoberta de excelentes plantas, cujos exemplares são sofregamente colhidos, entre as reclamações dos barqueiros, sempre receosos que a maré se perca! O rio Mira é mais um extenso canal ou braço de mar do que um verdadeiro rio. Desde pouca distancia da vila para jusante, o volume da sua água é muito considerável, mas essa água conserva-se sempre salgada, porque é quási exclusivamente água marítima, correndo ora para cima ora para baixo, conforme sobe ou vaza a maré."
Este é o segmento do Mira que, ao longo de séculos, constituiu uma estrada aquática, com cerca de 25 Km de extensão, percorrida pelos barcos que vinham carregar mercadorias do hinterland para o exterior e traziam as que a região necessitava. Movimento que só cessou ao entrar a segunda metade do século XX, quando ocorreram significativas alterações nos transportes terrestres, em Portugal.
É cruzado por três pontes, as principais obras de que beneficiou: duas em Odemira, a primeira de 1891 e a segunda, apenas pedonal, com escassa meia-dúzia de anos, e a de Milfontes, inaugurada em 1978. Longe vão os tempos das barcas da passagem do rio, de que, junto a Odemira, subsistem os marcos em alvenaria do seu sistema de funcionamento.
Olhando o seu percurso, notamos que o estreito troço até à arrebatada Volta do Moinho d'Além se contorce dramaticamente em acentuados meandros. Na vaza das margens, entre os caniços, aparecem cágados, cada vez mais raros, no entanto. Próximo do Roncão Velho, a cerca de 8 Km da vila de Odemira, na margem direita, desagua a ribeira do Torgal, o afluente mais importante deste segmento.
Uma velha estrutura, em estacaria de betão armado – o cais da Casa Branca – surge na margem direita, percorridos mais ou menos 2/3 do caminho. Com o celeiro da FNPT, que lhe fica ao lado, foi construído em 1936-1937 e lembra o tempo da exportação de cereal e da importação de adubo, por meio da navegação comercial.
Depois da Volta de Santa Maria, o rio, agora decididamente mais largo, ladeado por extensos sapais, com a Serra do Cercal/ São Luís perfilando-se à direita, encaminha-se na direcção da sua última volta. Junto aos Esteiro da Gama e do Moinho da Asneira, capturado por um vale de origem tectónica, volve bruscamente para poente, a cerca de 3,5 kms da foz.
Defronte de Vila Nova de Milfontes, espraia-se e tende a formar uma extensa coroa de areia. O assoreamento da área terminal é verificável também na foz, onde a barra, de areias móveis, coloca, há séculos, condicionantes ao trânsito de embarcações. Recentemente, a dragagem, efectuada entre a Ponta do Castelo e um pouco a jusante dos Rochos Pretos, pretendeu resolver problemas de fundos e a reconstituição do cordão dunar da Praia da Franquia, isto é, a recarga sedimentar dessa praia. Porém, não partindo de um estudo prévio, aprofundado, das componentes terrestre e aquática do sistema e das suas interacções – na realidade, a obra realizada foi decidida a priori – os resultados não podiam deixar de ser imprevisíveis, como em certa medida já se verificou. As peças anexas ao projecto, particularmente o "estudo de impacte ambiental" (obrigatório por lei), limitaram-se a justificar a acção, de forma "aceitável", bem como a preparar os pormenores concretos da sua execução. Uma das alternativas apresentadas – a C –, que previa deposição de dragados na área dunar adjacente, possuía, mesmo, um certo grau de aventureirismo.
A componente sedimentar, boa parte dela, decerto, hoje em dia, influenciada pela deriva litoral, caracteriza a parte final do estuário do Mira. A instabilidade verificada em parte do sistema afectou algumas das praias, em especial a da Franquia, o que colocou em risco a própria estrada para o farol e acabou por ser uma das justificações para a dragagem referida.
De assinalar que o estuário do rio Mira tem, nas três últimas dezenas de anos, sido objecto de investigação, mormente na área da Biologia (fauna e flora), o que produziu um acervo importante para o seu conhecimento. Ele mostra que o Mira não é um mero canal de água, nem mesmo apenas um elemento forte na paisagem, mas alberga uma apreciável diversidade biológica, inclusive com directo interesse económico (ostras, pescado).



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 25/06/2019
Speed Talent:
um projecto para
jovens empreendedores
O projecto Speed Talent-Acelerador de Talentos já arrancou por todo o Alentejo e também na região do Ribatejo.
07h00 - terça, 25/06/2019
Governo defende importância
dos portinhos de pesca
O secretário de Estado das Pescas defende a importância dos portinhos de pesca artesanal num momento em que se fala tanto da "economia do mar" e de grandes projectos ligados ao sector.
07h00 - terça, 25/06/2019
Bloquistas do
Alentejo Litoral
reuniram em Santiago
A agricultura intensiva, o transporte ferroviário e os direitos laborais foram algumas das questões em debate no primeiro Encontro do Alentejo Litoral do Bloco de Esquerda (BE), que se realizou no passado sábado, 22, em Santiago do Cacém.
07h00 - segunda, 24/06/2019
"Transporte a Pedido"
no concelho de Odemira
Melhorar as condições de mobilidade no concelho de Odemira, sobretudo nas freguesias do interior, é a grande meta do "Transporte a Pedido", projecto que a Câmara de Odemira conta lançar no segundo semestre deste ano.
07h00 - segunda, 24/06/2019
Acordo ambiental para
a lagoa de Melides
Um total de 14 entidades públicas e privadas subscreveram na passada semana o Acordo Ambiental para a Zona Húmida da Lagoa de Melides (Grândola), desenvolvido no âmbito do projecto europeu "WetNet".

Data: 21/06/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial