16h28 - quinta, 25/04/2019

O futuro é já amanhã!


Carlos Pinto
A greve dos motoristas de matérias perigosas da passada semana, além de "secar" muitos dos postos de abastecimento de combustíveis do país (Alentejo Litoral incluído), pôs a nú uma evidência: a economia portuguesa ainda depende em demasia das energias fósseis, nomeadamente do petróleo. É que bastaram três dias de paralisação e logo tocaram os sinos a rebate, dada a possibilidade do país parar literalmente por falta de gasóleo ou gasolina (e também devido a uma elevada dose de histeria e sofreguidão em grande parte da população/ consumidores).
Não obstante estas atenuantes, o sucedido nesses dias que antecederam a época pascal devem obrigar-nos a uma série reflexão sobre os pilares em que assenta a nossa economia. Não a questão do fim, mas a dos meios. Porque o ficou claro é que, independemente dos sectores, para que a "máquina" funcione e haja consumo e vendas é necessário haver… combustível! O que quer dizer que temos ainda um longo caminho a percorrer no processo de descarbonização da economia, onde as energias renováveis terão de assumir a posição agora ocupada pelas fontes energéticas fósseis.
Mas isso não se faz com um "estalar de dedos" ou com passes de mágica. É preciso estratégia e visão de médio e longo-prazo. E ter sempre em conta que processos desta natureza não evoluem da mesma forma em territórios de alta e baixa densidade. Nestes últimos as transformações implicam sempre riscos e desafios maiores, sendo indispensável uma visão global mas também local que impeça assimetrias ainda maiores do que as já se verificam nos dias de hoje. Porque o futuro é já amanhã e ainda há muito trabalho por fazer.

2. Um dos slogans mais populares em Portugal diz que "o que é nacional é bom". O anúncio ficou no ouvido de gerações e continua a fazer sentido, sobretudo numa sociedade cada vez mais higienizada e estandardizada, onde tudo é igual e tudo sabe ao mesmo. Por isso mesmo é de louvar a aposta que o Município de Odemira, juntamente com outras entidades do concelho, tem vindo a desenvolver na promoção de produtos tradicionais como o medronho, o mel ou, mais recentemente, as alcôncoras. Um trabalho que ajuda a preservar a memória destes sabores e que, mais importante ainda, abre novas janelas de oportunidade a estas verdadeiras "maravilhas" da nossa gastronomia.



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 23/10/2019
Mercado de Santiago
reabre depois de obras
O Mercado Municipal de Santiago do Cacém reabre nesta quarta-feira, 23, depois de u investimento de quase 300 mil euros em obras de reabilitação levadas a cabo pela autarquia local, no sentido de modernizar o edifício.
07h00 - quarta, 23/10/2019
Detido com droga
na zona de Sines
A GNR deteve no domingo, 20 de Outubro, durante uma operação de prevenção da criminalidade, um homem de 40 anos suspeito da prática do crime de tráfico de estupefacientes na zona de Sines.
07h00 - quarta, 23/10/2019
Transportes escolares em
Sines totalmente gratuitos
A Câmara de Sines aprovou na passada semana, por unanimidade, que vai assumir integralmente todos os encargos financeiros com passes escolares dos alunos do ensino secundário do concelho.
07h00 - terça, 22/10/2019
Odemira investe 2,5 milhões
na Educação em 2019-2020
Contribuir para a promoção do sucesso escolar e para construir um território educativo "de qualidade" são os objectivos da Câmara de Odemira, que prevê investir mais de 2,5 milhões de euros na área da Educação no ano lectivo de 2019-2020.
07h00 - terça, 22/10/2019
Plano de Mobilidade
avança no Torrão
O auto de consignação das obras do Plano de Mobilidade do Torrão, no concelho de Alcácer do Sal, foi assinado nesta segunda-feira, 21, num investimento avaliado em pouco mais de 454 mil euros por parte da Câmara Municipal.

Data: 18/10/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial