12h07 - quinta, 09/05/2019

Várias (II)


António Martins Quaresma
1. Acesso ao rio
Em tempos escrevi nas páginas do "Jornal Sudoeste" sobre o acesso ao rio Mira, a partir do bairro do Montinho, em Vila Nova de Milfontes. Na altura, ainda a situação não estava resolvida, mas insurgia-me contra a tendência de apropriação indevida, por particulares, de acessos públicos ao rio.
Recorde-se que um dos acessos tradicionais, a um recesso onde alguns habitantes de Milfontes têm os seus botes, fora cortado pela proprietária de uma casa próxima, originando a oposição de moradores, em especial dos directamente lesados.
No entanto, a situação corria o risco de se transformar num "facto consumado", como é muito comum. Só a firme e continuada acção de um dos moradores – Jorge Marreiros – levou a que autarquia e proprietária acabassem por reconhecer os direitos dos vizinhos e que, inclusive, a Junta de Freguesia construísse um lanço de escada de madeira, para melhorar a passagem, que, não sendo sumptuosa, está funcional.
Terminou, assim, em bem, um conflito, que opôs os interesses público e privado, sendo que ao primeiro foi reconhecida, por todos, a razão que lhe assistia, inclusive em termos legais.

2. Costa Vicentina
Nos idos de 1986, quando foi decidida a criação da, então, Área de Paisagem Protegida do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (depois Parque Natural) talvez não se imaginasse que a tentativa de individualizar a parte algarvia da área tivesse as consequências que teve.
De facto, até aí, fora usada a designação simples de Costa Sudoeste, consagrada entre os biólogos, para toda a costa, incluindo a parte alentejana e a algarvia, que significava a existência de uma certa unidade paisagística e biológica. Ao segmento de costa algarvia, nos concelhos de Aljezur e Vila do Bispo, alguém, porém, decidiu propor, durante as reuniões que conduziram à classificação da área protegida, que se chamasse "Vicentina", em referência ao Cabo de São Vicente. Nome que, não tendo tradição geográfica, possuía certo sabor, dir-se-ia, turístico.
O problema é que, como "Vicentina" fica no ouvido e a insciência geral prefere coisas simples e fáceis, bem depressa muita gente desatou a chamar "Vicentina" também à costa alentejana. Mais: o termo autonomizou-se do nome do Parque Natural e "geografizou-se".
Finalmente, a "cereja no topo do bolo": a criação da conhecida Rota Vicentina, boa parte dela no Alentejo e até fora do Parque, numa visão de eficácia comercial, impôs definitivamente o nome de "Vicentina", muito para além, do que fora pensado quando foi criado. Apenas alguns puristas ou no seio de estudos sobre o território se mantém a diferença.
Dir-se-á que daqui não vem mal ao mundo e que até há ganhos com isso. Talvez, mas convém reflectirmos sobre a razão das coisas. Em todo o caso, a mim nunca ninguém me ouvirá dizer que a foz do rio Mira ou a Praia do Malhão, como exemplos, ficam na Costa Vicentina. Por uma questão de rigor!



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 25/06/2019
Speed Talent:
um projecto para
jovens empreendedores
O projecto Speed Talent-Acelerador de Talentos já arrancou por todo o Alentejo e também na região do Ribatejo.
07h00 - terça, 25/06/2019
Governo defende importância
dos portinhos de pesca
O secretário de Estado das Pescas defende a importância dos portinhos de pesca artesanal num momento em que se fala tanto da "economia do mar" e de grandes projectos ligados ao sector.
07h00 - terça, 25/06/2019
Bloquistas do
Alentejo Litoral
reuniram em Santiago
A agricultura intensiva, o transporte ferroviário e os direitos laborais foram algumas das questões em debate no primeiro Encontro do Alentejo Litoral do Bloco de Esquerda (BE), que se realizou no passado sábado, 22, em Santiago do Cacém.
07h00 - segunda, 24/06/2019
"Transporte a Pedido"
no concelho de Odemira
Melhorar as condições de mobilidade no concelho de Odemira, sobretudo nas freguesias do interior, é a grande meta do "Transporte a Pedido", projecto que a Câmara de Odemira conta lançar no segundo semestre deste ano.
07h00 - segunda, 24/06/2019
Acordo ambiental para
a lagoa de Melides
Um total de 14 entidades públicas e privadas subscreveram na passada semana o Acordo Ambiental para a Zona Húmida da Lagoa de Melides (Grândola), desenvolvido no âmbito do projecto europeu "WetNet".

Data: 21/06/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial