12h08 - quinta, 16/01/2020

Descentralizar é necessário, mas...


Carlos Pinto
O Governo tem a decorrer um processo de delegação de competências do Estado nas autarquias locais em diversos domínios, lançado ainda na anterior legislatura e que ficará concluído a 1 de Janeiro de 2021. Nesse data, todos os municípios – assim o desejem ou não – terão de abraçar novas responsabilidades em áreas tão distintas como a Educação, a Saúde ou a gestão do património público.
Em primeira instância, este é um processo que tem por base boas intenções e que vai de encontro às necessidades que são sentidas em todo o território afastado dos grandes centros urbanos de Lisboa e do Porto. Porque, na generalidade das vezes, a acção das autarquias é muito mais eficaz e contundente que a actuação do Estado Central, por norma mais estática e incapaz de reagir com a celeridade que se impõe perante as exigências dos seus "clientes", os cidadãos.
Ainda assim, o actual processo de delegação de competências parece enformar de algumas debilidades e não ser capaz de atingir grande parte dos objectivos idealizados inicialmente. Isto porque a imagem com que todos ficamos – e que os autarcas do Alentejo Litoral sublinham após a recente reunião com a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, como pode ler na página 7 desta edição do "SW" – é que este processo não é mais que uma mera transferência de tarefas do Estado para os municípios, sem que as mesmas sejam acompanhadas do devido pacote financeiro e, sobretudo, de responsabilidades políticas.
É por tudo isto que o processo de descentralização em curso "sabe a pouco", comprovando ainda mais a necessidade que temos de avançar para a Regionalização. Não uma Regionalização que seja apenas para distribuir novos cargos, mas sim um processo que aproxime o poder político – e as suas decisões – dos territórios, dando resposta às necessidades destes mediante uma estratégia pensada (e executada) local e regionalmente.



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

08h00 - sábado, 22/02/2020
Pé diabético foi
rastreado em Alcácer
O programa desenvolvido pela Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) junto de idosos e IPSSs do concelho de Alcácer do Sal entre Março de 2019 e Fevereiro de 2020 terminou com balanço bastante positivo.
08h00 - sábado, 22/02/2020
Mascarados nas
ruas de São Luís
A aldeia de São Luís, no concelho de Odemira, vai voltar a "brincar ao Carnaval" neste domingo e terça-feira, dias 23 e 25 de Fevereiro, com dois desfiles (ambos às 15h00) que prometem uma enchente nas ruas da localidade.
08h00 - sábado, 22/02/2020
Mário Lúcio ao
vivo em Grândola
O cantor, compositor, escritor e pensador cabo-verdiano Mário Lúcio vai estar neste sábado, 22 de Fevereiro, na vila de Grândola, para um concerto a partir das 21h30 no cine-teatro Grandolense.
07h00 - sexta, 21/02/2020
Presidente da MS Odemira quer
"mais vozes femininas na política"
Ana Sofia Soares foi eleita, no final de Janeiro, como coordenadora da recém-criada Concelhia de Odemira das Mulheres Socialistas (MS) e em entrevista ao "SW" revela as suas prioridades para os próximos dois anos.
07h00 - sexta, 21/02/2020
Carnaval de Sines
promete dias de folia
O Carnaval de Sines de 2020 arranca "a sério" nesta sexta-feira, 21 de Fevereiro, sendo que ao longo dos próximos cinco dias são esperados cerca de 50 mil "foliões" nas iniciativas daquele que que é um dos maiores carnavais do sul de Portugal.

Data: 14/02/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial