12h08 - quinta, 18/06/2020

A falta que faz o governador civil


Carlos Pinto
Em Julho de 2018, em entrevista ao "SW", o presidente da Câmara Municipal de Odemira afirmou peremptoriamente que a extinção do cargo de governador civil de Beja prejudicou a região e "desagregou" o distrito. "Não só porque se perdeu uma ligação muito importante entre os serviços locais, as autarquias e o Governo, mas também porque se perdeu uma voz activa e permanente no distrito. Beja perdeu afirmação", argumentava José Alberto Guerreiro.
Agora, quase dois anos depois, foi a vez do secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional, que assumiu a coordenação regional do combate à Covid-19, considerar que este tipo organização "faz todo o sentido", sobretudo no interior, onde o Estado "foi perdendo presença".
"Faz todo o sentido que exista, não digo um secretário de Estado regional, mas alguém que possa fazer este trabalho ao nível local, ao nível regional, para que a articulação dos serviços possa funcionar de uma forma mais eficaz", argumenta Jorge Seguro Sanches [ver notícia na página ao lado].
Estas duas opiniões, espaçadas no tempo mas similares no conteúdo, vão de encontro àquilo que muitos baixo-alentejanos sentem desde a decisão do Governo PSD/ CDS-PP em Setembro de 2011: faz muita falta ao distrito um governador civil. Talvez tal não suceda em regiões mais urbanas como Lisboa, Porto ou Braga, mas em territórios como o de Beja (ou Évora ou Portalegre ou mesmo Faro) o papel do governador civil era de uma importância extrema. Era através dele que autarcas, instituições sociais, associações desportivas ou movimentos de cidadãos, entre outros, chegavam com muito maior celeridade aos "centro de decisão", leia-se, aos ministérios espalhados pelo Terreiro do Paço e arredores. O governador civil era uma voz ouvida na região, mas sobretudo em Lisboa. E isso fazia toda a diferença.
É por tudo isto, que continua a fazer sentido reivindicar pela reversão desta decisão. Porque dar um passo atrás nem sempre é um erro. É sinal de inteligência quando reconhecemos estar perante uma má decisão.



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 14/08/2020
"Música de Verão"
na vila de Grândola
A Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense, em parceria com a Câmara de Grândola e a Junta de Freguesia de Grândola e Santa Margarida da Serra, promove a partir desta sexta-feira, 14, um mini-ciclo de "Música de Verão".
07h00 - sexta, 14/08/2020
Câmara de Alcácer
apoia associação
A Câmara de Alcácer do Sal aprovou nesta quinta-feira, 13, em reunião do executivo, a libertação de uma verba no valor de 10 mil euros à AURPICAS, com vista à aquisição de uma carrinha de cinco lugares para usufruto dos seus utentes.
07h00 - sexta, 14/08/2020
400 quilos de cocaína apreendidos
pela Judiciária no Porto de Sines
A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu na terça-feira, 11, 400 quilos de cocaína num contentor descarregado no Porto de Sines, na sequência da operação "Vento Norte", uma investigação iniciada em finais de Abril.
07h00 - quinta, 13/08/2020
OP de Odemira 2020
recebeu 56 propostas
A população do concelho de Odemira apresentou um total de 56 propostas de investimento público, no âmbito do "Orçamento Participativo" (OP) 2020, promovido pela autarquia local.
07h00 - quinta, 13/08/2020
Obras nas WC's do
Mercado de Alcácer
As casas-de-banho do Mercado Municipal de Alcácer do Sal receberam obras de remodelação, que as dotaram de "melhores condições para satisfazer as necessidades de comerciantes e visitantes".

Data: 31/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial