12h49 - quinta, 16/07/2020

Covid-19 e as doenças cardiovasculares


Manuel O. Carrageta
Os estudos disponíveis apontam para uma mortalidade global da Covid-19 de um pouco mais de 2%, que aumenta muito significativamente com a idade, sendo inferior a 0,5% nos doentes com menos de 50 anos e superior a 15% nos doentes com mais de 80 anos. Os doentes com patologia cardíaca, qualquer que seja a sua idade, têm maior risco de morrer no caso de contraírem a infeção. Mais de 80% dos infetados com o vírus têm sintomas ligeiros que não exigem internamento e um número indeterminado ainda mais alto é assintomático.
Os principais sintomas desta infeção são a febre e o cansaço, de início, a que se segue a tosse seca, que pode evoluir para falta de ar. A dor de garganta e a rinorreia não são sintomas muito habituais na Covid-19. Se o doente tiver aqueles sintomas, deve ficar em casa e contactar a Saúde 24 ou o seu médico telefonicamente, evitando ir de imediato ao consultório médico ou ao hospital.
As queixas de falta de ar e de cansaço podem ser sintomas de Covid-19, mas também podem ser devidas, por exemplo, a insuficiência cardíaca, o que levanta dificuldades diagnósticas. Alguns doentes idosos ou mais frágeis, podem não ter febre e manifestar sintomas atípicos bastante pouco específicos, tais como confusão mental, quedas, etc., que, por si só, não levantam a suspeita da presença da infeção.
Para além da existência de doença cardiovascular se associar a maior risco de morte nos infetados com o vírus SARS – CoV-2, também a Covid-19 causa com frequência várias complicações cardiovasculares, nomeadamente, miocardites, arritmias, trombo-embolismo e até enfartes do miocárdio. Por outro lado, alguns dos fármacos que estão a ser utilizados no tratamento da Covid-19 podem ter efeitos secundários cardiovasculares, tais como, provocar ou agravar a insuficiência cardíaca, prolongar o intervalo QT, causar arritmias, etc. Portanto, pelo facto de ser doente do coração, no caso de contrair a Covid-19, está em risco de ter uma infeção mais grave.
Se o doente estiver a tomar medicamentos para a sua doença cardiovascular não deve, em caso algum, parar a medicação sem consultar o seu médico, pois caso contrário a sua situação clinica pode agravar-se. Os fármacos cardiovasculares, nomeadamente para a insuficiência cardíaca, patologia cada vez mais frequente, são muito importantes, pois reduzem significativamente a mortalidade e melhoram a qualidade de vida. Estes doentes devem ter cuidados redobrados em evitar a ingestão excessiva de líquidos e não tomar fármacos anti-inflamatórios não esteroides, sobretudo se forem hipertensos.
Lembramos que os doentes com insuficiência cardíaca são dos mais vulneráveis ao vírus, pelo que para minimizar o risco de infeção devem fazer cuidadosa higiene das mãos, praticar distância social, usar a máscara em ambientes fechados e ficar em casa o mais tempo que puderem.
Embora seja normal que os doentes se sintam ansiosos com o risco desta infeção, é da maior importância, como já dissemos, manter um bom estilo de vida. Fazer uma alimentação saudável, praticar exercício diário, não fumar, dormir o suficiente e procurar reduzir o stress, aumenta a resistência ao vírus e é fundamental também para reduzir o risco de um conjunto de doenças, nomeadamente as cardiovasculares, que são responsáveis por um número de mortes muito superior à Covid-19. Não é demais insistir que, no caso de contrair a infeção, estar o mais saudável e controlado possível da sua doença cardiovascular, ajuda a resistir melhor ao vírus, pelo que deve continuar a tomar a medicação e visitar o médico com a mesma regularidade que faziam antes da pandemia surgir.
Para terminar, lembre-se que, pelo facto de haver uma pandemia de Covid-19 não vão deixar de continuar a ocorrer enfartes do miocárdio e acidentes vasculares cerebrais.

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Manuel O. Carrageta

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

09h52 - sexta, 18/09/2020
Comandante dos Bombeiros de
Odemira ferido com gravidade
após despiste de viatura
O comandante dos Bombeiros Voluntários de Odemira ficou ferido com gravidade nesta sexta-feira, 18, na sequência do despiste de uma viatura da corporação perto de Boavista dos Pinheiros, tendo sido transportado no helicóptero do INEM para o Hospital do Barlavento, em Portimão.
07h00 - sexta, 18/09/2020
Odemirense e Milfontes
contra início "precoce"
da temporada 20-21
O Odemirense e o Praia de Milfontes são dois dos sete clubes subscritores de uma tomada de posição entregue à Associação de Futebol de Beja (AFBeja), onde é criticado o arranque dos campeonatos distritais, nomeadamente o da 1ª divisão, previsto para o próximo dia 18 de Outubro.
07h00 - sexta, 18/09/2020
Autarcas da CIMAL debateram
arranque do ano lectivo com Governo
Os presidentes das cinco câmaras do Alentejo Litoral (Alcácer do Sal, Grândola, Odemira, Santiago do Cacém e Sines) reuniram nesta quarta-feira, 16, em Grândola, com o secretário de Estado da Defesa, Jorge Seguro Sanches, coordenador no Alentejo, junto do Governo, para as questões da pandemia.
07h00 - sexta, 18/09/2020
Grândola recebe
Encontro da Canção
de Protesto
A vila de Grândola recebe até domingo, 20 de Setembro, mais uma edição do Encontro da Canção de Protesto, este ano dedicada à vida e obra de José Mário Branco e marcada pelas limitações impostas pela pandemia da Covid-19.
07h00 - sexta, 18/09/2020
Vice-presidente da Câmara: "Odemira é um destino de qualidade"
Em entrevista ao "SW", o vice-presidente da Câmara de Odemira, Ricardo Cardoso, faz um balanço "bastante positivo" do Verão no concelho, considerando que a época balnear de 2020 ajudou Odemira a afirmar-se como "um destino de qualidade".

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial