12h49 - quinta, 16/07/2020

Que futuro para o Interior?


Carlos Pinto
Um estudo científico publicado nesta semana pela prestigiada revista "The Lancet" revela que Portugal poderá chegar ao ano de 2100 com uma população de apenas cinco milhões de habitantes. Ou seja, e de acordo com o mesmo trabalho, Portugal vai estar, dentro de 80 anos, entre as mais de duas dezenas de nações cuja população poderá descer para menos de metade, a par de Espanha, Itália, Japão ou Tailândia.
Numa análise às conclusões do estudo, o director da publicação, Richard Horton, refere estar no horizonte "uma revolução na história da civilização humana", em que "África e o mundo árabe modelarão o nosso futuro, enquanto a Europa e a Ásia reduzirão a sua influência". "No fim do século, o mundo será multipolar, com a Índia, a Nigéria, a China e os EUA como poderes dominantes", acrescenta Richard Horton, citado em comunicado da revista.
A par destas conclusões de âmbito mais "macro", é preciso olhar para as questões "micro". E no caso concreto de Portugal, estimando-se uma redução drástica da sua população e tendo em conta a realidade demográfica actual, deve colocar-se esta pergunta objectiva: que futuro estará reservado para o Interior do país daqui a 80 anos (em 2100)?
Sendo simples de elaborar, esta é uma questão que está longe de ter uma resposta concreta. Muito menos simplista. Mas da mesma resulta uma evidência: é urgente acelerar a estratégia de mitigação do envelhecimento e da desertificação humana a que os territórios afastados dos grandes centros urbanos parecem estar condenados. Até porque não sendo um assunto novo, parece óbvio que as linhas de actuação definidas no plano nacional ao longo dos últimos anos neste domínio estão muito longe de alcançar os seus objectivos.
Por isso mesmo, e numa altura em que uma pandemia nos fez (re)avaliar tudo aquilo que eram prioridades e desafios mais imediatos, é bom que se pense a sério neste problema. Caso contrário, dentro de 80 anos não restará ninguém por estas bandas…



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 30/09/2020
Governo apresenta
Plano Estratégico
do Porto de Sines
O ministro das Infra-estruturas e da Habitação vai estar nesta quarta-feira, 30, em Sines, na sessão pública de apresentação do Plano Estratégico do Porto de Sines, que vai decorrer a partir das 10h00 no auditório da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS).
07h00 - quarta, 30/09/2020
Acção judicial avança em
defesa do Parque Natural
O movimento de cidadãos "Juntos pelo Sudoeste", juntamente com a Associação Foz do Mira, apresentou, na passada semana, uma acção judicial no Tribunal Administrativo e Fiscal de Beja, no sentido de garantir a defesa dos valores do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV).
07h00 - quarta, 30/09/2020
João Morgado é o
vencedor do prémio
"Manuel da Fonseca"
João Morgado, da Covilhã, venceu a 13ª edição do Prémio Nacional de Conto "Manuel da Fonseca",promovido pela Câmara de Santiago do Cacém, com a obra Contos de Macau.
07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial