15h45 - quinta, 09/12/2021

"Comprar" o Natal no comércio local


Carlos Pinto
O Natal está à porta e com ele a época mais consumista do ano. Para o bem e para o mal! O que é certo é que, contrariamente a um passado recente (mas que já parece longínquo para muitos), os devaneios típicos desta quadra estão hoje longe de ser a "tábua de salvação" para muito dos comerciantes que sobrevivem de portas abertas neste prolongado tempo de crise, em que depois de pagarmos as contas do mês pouco mais sobra na carteira.
E não bastasse a pandemia, o comércio local enfrenta ainda mais dois outros "inimigos": os centros comerciais e, sobretudo, as lojas online, que permitem aos clientes ter acesso a produtos de todo o mundo (e a preços bastante acessíveis).
É perante este quadro que, ao longo dos últimos anos, os municípios (e os do Alentejo Litoral não são exceção) têm vindo a dinamizar ações e programas de promoção do comércio tradicional local nesta altura do ano, organizando eventos de animação e incentivando compras localmente através da atribuição de diversos prémios.
Não sendo estas campanhas a "panaceia" para todos os males do comércio local, não deixam de ser um princípio e um importante apoio.
Contudo, parece ser evidente que é preciso ir mais além para que o comércio das novas vilas e aldeias possa vencer esta batalha desigual e, deste modo, ganhar outro peso enquanto alavanca real da economia nos nossos territórios.
Isso só sucederá mediante um trabalho conjunto e efetivo entre comerciantes e restantes atores com capacidade de intervenção local, adaptando a oferta às necessidades de quem compra. Mas este trabalho também cabe a todos nós, enquanto cidadãos e parte integrante de uma comunidade.
Comprar local não é dar uma "esmola" ao vizinho ou fazer dele um milionário. Comprar local é fortalecer a economia das nossas terras, num gasto que tem obviamente repercussões positivas noutras esferas locais, nomeadamente no plano associativo ou cultural.
Por isso mesmo, na hora de fazer as suas compras de Natal pense bem se vale a pena poupar uns cêntimos em detrimento de fortalecer a economia local...



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 17/05/2022
Grândola quer mais
praias no concelho
A Câmara de Grândola pretende que a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) autorize a criação de novas praias no concelho, "com os respetivos equipamentos de apoio", defendendo igualmente uma "revisão da capacidade autorizada" para as atuais praias.
07h00 - terça, 17/05/2022
Concerto em
Grândola para evocar
obra de José Afonso
O cineteatro Grandolense recebe nesta terça-feira, 17, pelas 21h30, um concerto evocativo do dia em que as "histórias" de Grândola e de José Afonso "se cruzaram pela primeira vez, em 1964".
07h00 - terça, 17/05/2022
Achados arqueológicos
descobertos em
Alcácer do Sal
As escavações arqueológicas em curso na Capela do Tesouro do Santuário do Senhor dos Mártires, em Alcácer do Sal, permitiram a descoberta de "alguns achados de grande valor" para a história do concelho e do monumento.
15h09 - segunda, 16/05/2022
Detido por
tráfico de droga
em Odemira
Um homem de 27 anos foi detido, na passada sexta-feira, 13, pela GNR, pela prática do crime de tráfico de estupefacientes no concelho de Odemira e vai aguardar julgamento em prisão preventiva.
07h00 - segunda, 16/05/2022
Integração de migrantes é uma
"necessidade efetiva" em Odemira
A integração de migrantes representa "mais de dois terços" daquilo que é a área de intervenção social da TAIPA no território de Odemira, reconhece ao "SW" a vice-presidente da cooperativa.

Data: 06/05/2022
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial