16h33 - quinta, 27/01/2022

Estaremos a caminho de ser um deserto?


Carlos Pinto
Apesar de estarmos em plena campanha para as Legislativas 2022, uma das mais importante eleições de sempre para o futuro de Portugal, há um tema que começa a dominar (infelizmente) a agenda mediática nacional: a seca. E o caso não é para menos, bem pelo contrário.
Chegados ao mês de janeiro e sem perspetivas de precipitação no horizonte, a situação é (quase) catastrófica e está a levar ao desespero os agricultores. As plantações de outono-inverno estão praticamente perdidas, a pastagem para a alimentação do gado pura e simplesmente não nasceu e mesmo as culturas de primavera-verão estão em risco, dada a pouca disponibilidade de água nas albufeiras que servem os respetivos perímetros de rega.
O caso é bem sério e a atestá-lo está a decisão, anunciada esta semana, da Direção Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) de acionar o plano de contingência para atender "à tendência do aumento do consumo" de água nas atividades afetas à agricultura na zona de Odemira.
O problema, para já, não se coloca ao abastecimento de água para consumo humano. Para já… Mas a possibilidade de faltar água quando abrimos a torneira pode bem um dia vir a ser uma terrível realidade.
Tudo isto se deve, obviamente, ao mau uso de água em algumas situações e também às alterações climáticas, que por muito que alguns o neguem são uma realidade cada vez mais evidente, sobretudo nos territórios do Baixo Alentejo e do Alentejo Litoral. Poderemos mesmo estar a caminho de nos transformarmos em habitantes de um deserto.
Perante tudo isto, parece óbvio que é necessário avançarmos rapidamente com uma estratégia bem definida – e que aproveite desde logo os fundos do Plano de Recuperação e Resiliência – para conseguirmos aumentar a capacidade de reserva de água na região, assim como melhorar a sua gestão. Se tal não acontecer, o futuro será cada vez mais seco e árido…



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 24/06/2022
AdSA tem
novo centro de
atendimento
A empresa Águas de Santo André (AdSA), com sede em Vila Nova de Santo André (Santiago do Cacém), acaba de lançar um novo serviço de atendimento aos clientes, a funcionar em permanência 24 horas por dia.
07h00 - sexta, 24/06/2022
Nova central solar vai
ser construída em Sines
Uma central fotovoltaica, com capacidade para mais de 91 mil painéis solares e uma potência de 49 megawatts, vai ser instalada no concelho de Sines, numa área de 100 hectares.
11h00 - quinta, 23/06/2022
Feira PIMEL
de regresso em
Alcácer do Sal
Música, gastronomia e atividades equestres compõem o 'cartaz' deste ano da PIMEL – Feira de Turismo e das Atividades Económicas de Alcácer do Sal, que decorre a partir desta quinta-feira, 23, no "espaço renovado" do Parque Urbano da cidade.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Detido por
tráfico de droga
em Milfontes
Um homem de 27 anos foi detido, no domingo, 19, pela GNR por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes em Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Produção de arroz cai
20% no Vale do Sado
O presidente do Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado (APARROZ), com sede em Alcácer do Sal, estima uma quebra de 20% na produção de arroz na região em relação à campanha de 2021, com uma redução da área de cultivo na ordem dos 1.

Data: 17/06/2022
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial