17h41 - quinta, 24/02/2022

A economia das artes


Carlos Pinto
A Câmara de Odemira vai colocar em marcha a elaboração do Plano Municipal de Cultura 2030, no âmbito do qual pretende colocar a cultura "no centro da inovação e da atratividade" do concelho.
Tal como lhe damos a conhecer na página 13 desta edição, trata-se de um trabalho a realizar ao longo deste ano, por forma a criar condições para ter "um concelho mais atrativo para a produção de conhecimento e de mais inovação, com âncora no seu património cultural e natural", numa parceria que juntará a autarquia a quatro instituições locais, nomeadamente a CACO – Associação de Artesãos do Concelho de Odemira, a Associação para o Desenvolvimento de Amoreiras-Gare (ADA), a Associação Cultural Cultivamos Cultura e o Grupo de Estudos do Território de Odemira (GESTO).
Em entrevista ao "SW" [ver páginas 8 e 9], o autarca Hélder Guerreiro reitera esse desafio, assumindo a ambição de serem criadas condições "para que um ecossistema cultural e criativo seja mais uma das atividades económicas no território" do concelho.
Uma ambição que, não sendo inovadora, pode ser bastante diferenciadora e trazer valor acrescentado para o município.
Nas grandes cidades de todo o mundo, são muitos os bairros onde este tipo de aposta já foi implementada com notório sucesso. Lisboa, Copenhaga (Dinamarca), Paris (França), Munique (Alemanha), Nova Iorque (EUA) ou São Paulo (Brasil) são bons exemplos disso mesmo. Há casos semelhantes em localidades mais pequenas, como Weimar (Alemanha), Bristol (Inglaterra) ou Faro, onde a produção cultural se assume como uma das principais molas da economia local.
Projetos desta natureza, além do incremento nas dinâmicas culturais locais, aumentam a capacidade de atrair visitantes e fixar população. Novos habitantes, por norma mais jovens que os já residentes, com cultura e formação, o que inevitavelmente terá reflexos nos quotidianos locais.
Numa altura em que combater a desertificação do interior tem de ser, cada vez mais, uma prioridade, a aposta nas artes em localidades fora dos grandes centros urbanos está longe de ser uma excentricidade, bem pelo contrário. Afinal de contas, potenciar a criação de um ambiente cultural e criativo numa aldeia pode ser bem mais realista que tentar deslocalizar para lá fábricas e empresas "convencionais". E também é economia!



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - sexta, 24/06/2022
AdSA tem
novo centro de
atendimento
A empresa Águas de Santo André (AdSA), com sede em Vila Nova de Santo André (Santiago do Cacém), acaba de lançar um novo serviço de atendimento aos clientes, a funcionar em permanência 24 horas por dia.
07h00 - sexta, 24/06/2022
Nova central solar vai
ser construída em Sines
Uma central fotovoltaica, com capacidade para mais de 91 mil painéis solares e uma potência de 49 megawatts, vai ser instalada no concelho de Sines, numa área de 100 hectares.
11h00 - quinta, 23/06/2022
Feira PIMEL
de regresso em
Alcácer do Sal
Música, gastronomia e atividades equestres compõem o 'cartaz' deste ano da PIMEL – Feira de Turismo e das Atividades Económicas de Alcácer do Sal, que decorre a partir desta quinta-feira, 23, no "espaço renovado" do Parque Urbano da cidade.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Detido por
tráfico de droga
em Milfontes
Um homem de 27 anos foi detido, no domingo, 19, pela GNR por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes em Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira.
07h00 - quinta, 23/06/2022
Produção de arroz cai
20% no Vale do Sado
O presidente do Agrupamento de Produtores de Arroz do Vale do Sado (APARROZ), com sede em Alcácer do Sal, estima uma quebra de 20% na produção de arroz na região em relação à campanha de 2021, com uma redução da área de cultivo na ordem dos 1.

Data: 17/06/2022
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial