15h23 - quinta, 29/09/2022

A Nova "Nova Rússia"


Fernando Almeida
A Europa está cheia de Estados que incluem povos diferentes, e isso percebe-se pelas línguas que falam e pela cultura e história que possuem. A Espanha, a França ou o Reino Unido (que por vezes está mais desunido que unido, pelas divergências com a Irlanda do Norte e com a Escócia) têm problemas internos com povos que se sentem minoritários ou mal representados no poder. Quem aprecie a evolução das fronteiras dos Estados europeus verá grandes mudanças verificadas ao longo dos séculos, com o surgimento e extinção de países e com as fronteiras em mudança constante. Não há muito tempo a antiga Jugoslávia desmembrou-se em diferentes Estados após uma guerra prolongada e brutal, a antiga Checoslováquia deu origem a dois países, etc.. Portugal é claramente uma exceção nesta matéria.
Se a correspondência entre um estado e uma comunidade cultural e linguística homogénea é difícil de encontrar na Europa, ainda é mais difícil de achar em África, onde as fronteiras existentes foram quase sempre traçadas por nós, europeus, frequentemente com régua e esquadro, como quem reparte um bolo entre convivas gulosos. Quando se traçaram essas fronteiras do interior de África atribuindo a sua posse a diversos Estados europeus, na maior parte dos casos nem sequer se sabia o que por lá existia, se eram territórios montanhosos, planícies, lagos ou rios… e ainda menos que povos foram repartidos pelos diferentes "senhorios europeus", e que povos, por vezes de rivalidades ancestrais, foram incluídos na mesma colónia europeia. Muitas das guerras que existiram e existirão em África tiveram e terão ainda esta origem. É quase inevitável que assim seja e a responsabilidade foi indiscutivelmente do colonialismo brutal que escravizou os africanos e lhes perturbou o futuro. Bem podemos tentar branquear a nossa responsabilidade neste processo, dizendo que levámos para África a "civilização" e o "desenvolvimento", tal como antes dizíamos ter levado a "salvação das almas" àqueles que escravizávamos e vendemos como gado, mas o papel da Europa Ocidental no mundo nos últimos séculos tem sido efetivamente vergonhoso.
A Ucrânia, tão falada ultimamente, é também ela um exemplo da situação de fronteiras voláteis impostas por poderes estrangeiros e de uma integração forçada daquelas terras e gentes em diversas potências da região. A sua situação de "fronteira" entre vizinhos poderosos não só determinou a sua inclusão em diferentes reinos, impérios ou senhorios ao longo dos séculos, como influenciou mesmo o nome dado àquele território: "Ucrânia", em russo "Ukraina" e em polaco antigo "Ukrainian", significa precisamente "fronteira".
Ao contrário de Portugal, que no século XIII tinha as suas fronteiras definidas no essencial, o território a que hoje chamamos "Ucrânia" andou de "mão em mão". Depois de ser dominada pelos mongóis, foi posse dos senhores da Polónia, da Lituânia, da Áustria-Hungria, do Império Otomano e dos Czares da Rússia. Nos séculos XVII e XVIII teve um breve período de domínio dos cossacos (eles próprios homens livres de origem russa ou ucraniana) e, por fim, o território e as suas gentes foram integrados no Império Russo até à sua queda. Pouco tempo depois foi criada a Republica Socialista Soviética da Ucrânia e nela foram incluídos territórios com populações de origem russa e outros com gentes mais do oeste, a que hoje chamamos ucraniana. Não havia problema, porque ao tempo se pensava que a URSS iria durar para sempre e, por isso mesmo, territórios que tinham sido russos nos últimos séculos e eram ocupados por populações russófonas poderiam se incluídos naquela unidade administrativa. Assim, quase toda a região que já no tempo dos Czares se chamava de "Nova Rússia" ficou sob administração da República Socialista Soviética da Ucrânia. A situação da Crimeia é um tanto diferente, porque nunca pertenceu à Ucrânia e só em 1954 foi integrada na República Socialista Soviética da Ucrânia por decisão de  Khrushchov, ele próprio ucraniano, para facilitar a administração do território. Mas inesperadamente o mundo mudou e quando em 1992 a URSS se fragmentou e a Ucrânia se tornou independente, os russos nela existentes passaram a comunidade minoritária dentro do novo Estado.
A relação entre russos e ucranianos era geralmente tranquila e ainda mais fraterna era a relação entre os russos que ficaram integrados na Ucrânia e os outros ucranianos falantes de ucraniano, tanto mais que são línguas bastante próximas. E foi assim até que poderes externos vieram criar a intriga e estimular o ódio… Hoje tentamos fazer esquecer que foram os ocidentais a promover o golpe de Estado que afastou o presidente eleito democraticamente na Ucrânia (Viktor Ianukóvytch), o que veio criar a guerra civil que durou oito anos, com milhares de mortos e deslocados a que a comunicação social do Ocidente não deu importância. Na verdade, o novo poder pró-ocidental da Ucrânia nasceu de um golpe de Estado contra um poder democraticamente eleito, mas no ocidente fez-se vista grossa ao atropelo à legalidade e à democracia. Em boa verdade, a democracia só é importante se nos der jeito…
A "Nova Rússia" é um nome histórico usado na época do Império Russo para a região ao norte do Mar Negro que é hoje na sua maioria a parte sul e leste da Ucrânia. Foi formada como uma província imperial da Rússia, em 1764, e por diversas vezes incluiu também a região moldava da Bessarábia (grande parte corresponde à Transnístria moldava atual), o litoral norte do Mar Negro (as atuais províncias ucranianas de Zaporizhia, Kherson), o litoral do Mar de Azov, a região tártara da Crimeia, as estepes Terek–Kuma ao longo do rio Kuban e a região circassiana.
Agora, tudo leva a crer que a Rússia quer reabilitar esta unidade cultural e linguística de maioria russa pela conquista de parte da Ucrânia e, eventualmente, pela integração da Transnístria, que já é na prática autónoma da Moldávia.
O que parece certo é que se a Ucrânia não tivesse tido o golpe de Estado a favor do Ocidente e se em consequência não tivesse mostrado vontade de entrar na OTAN, se tivesse cumprido os acordos de Minsk, se tivesse respeitado as populações do Donbass, esta guerra, que é evidentemente algo de horrível e condenável como todas as outras guerras que existem no mundo, nunca teria existido. E com paz e cooperação as populações de toda a região viveriam melhor e poderiam ter um futuro mais sorridente. Também esta é mais uma guerra criada por interesses estranhos às pessoas que, quer falem russo ou falem ucraniano, todos os dias se levantam para trabalhar e que querem criar os filhos em paz e sossego.
Mas os senhores do mundo, que já têm para si riquezas incontáveis, querem sempre mais, e não se importam com o sofrimento dos povos. É quase sempre assim.



Outros artigos de Fernando Almeida

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - segunda, 06/02/2023
Câmara de Alcácer
apoia Associação
Animais de Rua
A Câmara de Alcácer do Sal aprovou, no final de janeiro, um auxílio económico no valor de 15 mil euros à Associação Animais de Rua, "para esterilizar e proteger animais em risco no concelho".
07h00 - segunda, 06/02/2023
Câmara de Odemira disponibiliza
mais 25 lotes para habitação jovem
A Câmara de Odemira tem a decorrer, até 28 de julho, o concurso público para a alienação de mais 25 lotes de terreno, destinados à construção de habitação própria e permanente para jovens dos 18 aos 40 anos.
21h57 - domingo, 05/02/2023
Buscas em Sines
por pescador amador
desaparecido
As buscas por um pescador de 38 anos que desapareceu no sábado ao largo da orla costeira de Sines foram suspensas ao final da tarde deste domingo, 5.
17h58 - domingo, 05/02/2023
Renascente vence
dérbi diante do
Praia de Milfontes
O Renascente de São Teotónio venceu, neste domingo, 5, o Praia de Milfontes, num dérbi do concelho de Odemira que marcou a 19ª jornada do campeonato distrital da 1ª divisão de Beja.
07h00 - sexta, 03/02/2023
Grândola promove
Orçamento Participativo
para seniores
A Câmara de Grândola promove, a partir desta sexta-feira, 3, a terceira (e última) edição do "Orçamento Participativo Sénior", dinamizado no âmbito do projeto CLDS 4G – Grândola 4 Gerações.

Data: 27/01/2023
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial