11h29 - quinta, 29/06/2023

É preciso agir com muita urgência


Carlos Pinto
O Governo andou, na passada semana, pelo distrito de Évora, aproveitando a ocasião para aprovar o novo Plano Regional de Eficiência Hídrica do Alentejo, que conta "cerca de 70 medidas" para reforçar a resiliência do território às alterações climáticas, num investimento total de "quase 1.000 milhões de euros".
Entre as medidas anunciadas pelo executivo socialista, destacam-se, no que ao Alentejo Litoral diz respeito, a concretização de dois projetos "de grande dimensão" para a barragem de Santa Clara, no concelho de Odemira, um visando a diminuição de perdas na área da agricultura, num investimento de 30 milhões de euros, e outro direcionado para o abastecimento público, no valor de 36 milhões de euros.
O plano prevê ainda a possibilidade de serem instaladas duas dessalinizadoras no Alentejo Litoral, uma na zona do rio Mira para servir a agricultura intensiva e outra em Sines, para dar resposta aos novos projetos industriais anunciados para o concelho [ver textos nas páginas ao lado].
Segundo explicou o ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, com este Plano de Eficiência Hídrica o Governo estima "reduzir os consumos de água no setor urbano e turístico em cerca de 10%, correspondente a cerca de 17 hectómetros cúbicos, e, nos aproveitamentos hidroagrícolas coletivos, na casa dos 12%, cerca de 29 hectómetros cúbicos".
Tudo isto são, obviamente, boas notícias para o Alentejo num tempo de emergência climática e hídrica, em que temos de agir com muita consciência e urgência para evitar que a desertificação da região seja cada vez mais uma evidência.
Haver um plano – com prazos definidos e meios financeiros alocados – para seja possível implementar estas medidas no terreno já é bastante positivo. Mas agora é preciso muito mais que isso: é necessário que as medidas saiam do plano teórico e sejam efetivadas no terreno, para que se consiga, finalmente, dar passos concretos no combate à seca e às alterações climáticas.
Caso contrário, iremos continuar anos e anos a falar sobre a falta de chuva e a necessidade de poupar água. Até que chegará o dia em que as torneiras estarão secas. E aí será tarde demais…



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - segunda, 04/03/2024
Câmara de Odemira
dinamiza Universidade Sénior
A Câmara de Odemira assumiu, no início deste ano de 2024, a dinamização da Universidade Sénior (USO), para "criar condições para que o envelhecimento ativo e saudável seja uma realidade acessível a todos".
07h00 - segunda, 04/03/2024
Prémio de Conto
de regresso em
Santiago do Cacém
A Câmara de Santiago do Cacém tem a decorrer, até 12 de abril, o prazo de candidaturas para a 15ª edição do Prémio de Conto Manuel da Fonseca, que presta homenagem ao escritor natural do concelho e à sua obra.
07h00 - domingo, 03/03/2024
Líder do PCP
faz campanha em
Alcácer do Sal
O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, vai estar neste domingo, 3, em Alcácer do Sal, em ações de campanha para as eleições Legislativas de 10 de março.
07h00 - sábado, 02/03/2024
Grândola recebe
prova de duatlo
neste sábado
O calendário nacional de duatlo arranca neste sábado, 2 de março, em Grândola, com a realização do Duatlo de Grândola 2024, promovido pela Câmara Municipal e pelo clube Amiciclo, com o apoio técnico da Federação de Triatlo de Portugal.
07h00 - sexta, 01/03/2024
Brigada do Mar
recolhe lixo marinho
no Alentejo Litoral
A Brigada do Mar promoveu, entre os dias 15 e 18 de fevereiro, uma ação de descontaminação de lixo marinho nas praias entre Tróia e Sines, tendo inclusive recolhido recipientes de plásticos de combustível provenientes de atividades ilícitas, provavelmente do tráfico de droga.

Data: 23/02/2024
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial