09h57 - quinta, 19/07/2018

O pecado original


Hélder Guerreiro
Um filósofo da política defendeu, numa entrevista, que o liberalismo económico, que teve o seu berço na forte politica de liberdade dos mercados de Margaret Thatcher, é o responsável principal pela degradação do sentido de sociedade que assenta na ideia de comunidade solidária.
A ideia tem por base a construção de um certo espirito de competição em detrimento de um espírito de entreajuda e de cooperação que têm âncora nas regras básicas do mercado desregulado (ou livre para alguns): a lei do mais forte! Muitos dirão que esta é uma análise simplista e que a vida é muito mais complexa do que estou a querer interpretar de uma simples resposta numa entrevista de alguém de quem não me lembro o nome. Eu julgo que não estou a exagerar, mas ainda assim vou tentar explicar a minha interpretação.
As sociedades colaborativas com forte sentido de solidariedade talvez sejam uma utopia de esquerda, tenho orgulho em dizer que é minha utopia também, têm por base a ideia de redistribuição da riqueza gerada no sentido de não deixar ninguém para trás. É possível que este modelo tenha a condicionante de que nunca será gerada muita riqueza para redistribuir pois não deixar ninguém para trás, por princípio, implica ir mais devagar. Há quem diga que devagar se vai ao longe!!
Já as sociedades assentes no liberalismo, diria radical, assumem que a liberdade de criação de riqueza, sem a preocupação de redistribuir e/ou de não deixar ninguém para trás, permitirá uma criação tal de riqueza que, certo dia, todos beneficiarão com ela. Este impulso assente na ideia de oportunidade de nos concretizarmos (termos sucesso) individualmente é muito apelativa e, vista de nós próprios enquanto ser humano individual, não nos merece nenhum reparo aparente.
O problema destes dois lados opostos assenta, em termos de argumentos, na acumulação, ou não detenção, de rendimento e/ou capital. Até onde vai a acumulação de riqueza em poucos que, finalmente, permita que todos beneficiem? Até onde vai o controle publico (coletivo) que não admita a expressão criativa do individuo, que a todos pode beneficiar?
Eu, pessoalmente, acho que nós deveríamos assentar os argumentos de analise comparativa naquilo que é também básico e que são os laços e as relações que estabelecemos com o outro enquanto pessoas parte de uma comunidade ou sociedade. Mas, adiante…
Os impulsos de globalização e da liberdade económica geraram grandes convulsões sociais e económicas, geraram crises e também geraram momentos de exponencial crescimento económico. Muitos dizem que é a ganância e outros dizem que é o impulso criativo da humanidade que vai gerando estes desequilíbrios que, posteriormente, conduzem a alguns equilíbrios. Tudo se faz com euforia, mas também com muita dor e sofrimento.
Talvez devêssemos prestar mais atenção é metáfora excecional do dito pecado original e assumirmos (estou a brincar) que tudo isto teve uma primeira vez quando a ganância de comer uma simples maçã (é certo que era proibida) nos expulsou do paraíso…
Na verdade, o que eu queria escrever nesta crónica, é que temos hoje um Mundo e uma Europa em particular, filhos de um forte liberalismo económico e que deixou muitos, mesmo muitos, para trás. Este facto que tem vindo a gerar expressões muito perigosas de populismo e de radicalismo xenófobo. Não estamos a conseguir, povos europeus, ser solidários uns com os outros e temos, inexplicavelmente, medo do outro. Este estado de coisas incute um medo coletivo sobre o nosso futuro individual e explica bem a razão de estarmos a rejeitar aqueles que nos batem à porta, que querem entrar na nossa casa, mesmo sabendo nós que precisamos urgentemente deles.
Também queria escrever que, esta semana, o líder da bancada parlamentar do partido que suporta o Governo, no inicio da semana, comunicou uma intenção de investimento para o Baixo Alentejo que veio mais tarde (dois dias depois) a ser confirmada e reforçada pelo ministro que tutela a concretização dessa e de outras intenções referidas no inicio da semana. Tudo ótimas e esperadas noticias, sim, mas o que se passou na comunicação social local entre os dois dias foi um exemplo claro do resultado do liberalismo económico. Não digo porquê, deixo este desafio à vossa imaginação!!!

Escrito com o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Hélder Guerreiro

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - segunda, 15/07/2019
Alcácer do Sal
tem novo Conselho
de Segurança
O novo Conselho Municipal de Segurança (CMS) de Alcácer do Sal tomou posse no final da passada semana, tendo por objectivos "promover a articulação, a troca de informações e a cooperação" entre entidades locais ligadas à área.
07h00 - segunda, 15/07/2019
Balcão Único de Odemira
assinala nove anos de existência
O Balcão Único (BU) da Câmara de Odemira assinalou, na passada sexta-feira, 12 de Julho, nove anos de existência, sendo que actualmente conta com uma média de 10 mil atendimentos a munícipes por ano.
07h00 - segunda, 15/07/2019
Um derrame hoje?
"Consequências seriam
maiores", diz ARH
O director da Administração Regional Hidrográfica (ARH) do Alentejo, ligada à Agência Portuguesa do Ambiente (APA), admite que um acidente como o ocorrido, em 1989, com o petroleiro "Marão" nos dias de hoje teria consequências económicas e ambientais bem maiores na zona do Alentejo Litoral.
07h00 - sexta, 12/07/2019
Jogadora de Milfontes
nas campeãs da Europa
A concretização de um sonho: é desta forma que a futebolista Jéssica Silva, natural de Vila Nova de Milfontes, descreve a sua transferência dos espanhóis do Levante para os franceses do Olympique Lyon, actuais campeões da Europa de futebol feminino.
07h00 - sexta, 12/07/2019
Feira do Mar
na cidade de Sines
Conferências, exposições, concertos e tasquinhas são algumas das iniciativas que vão marcar o programa da Feira do Mar, iniciativa que vai decorrer neste fim-de-semana, 12 a 14 de Junho, na Avenida Vasco da Gama, em Sines.

Data: 05/07/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial