15h14 - quinta, 12/12/2019

O rei vai nu...


Fernando Almeida
Num reino distante, como sempre acontece nas histórias, havia um rei muito vaidoso mas muito pouco sábio. Uns comerciantes aldrabões fizeram-no acreditar que tinham um tecido que por magia só os inteligentes conseguiam ver, mas que os estúpidos não viam. Se o rei usasse esse tecido nas suas roupas poderia facilmente perceber quem era inteligente, porque esses haviam de apreciar os seus fatos. Como nem o rei nem ninguém na corte via o tal fato, mas também ninguém queria passar por burro, todos diziam que os tecidos eram lindíssimos, e que o rei andava magnífico. Um dia, num desfile público, uma criança, na sua ingenuidade, exclamou alto e bom som: "O rei vai nu!", e todos a secundaram dizendo que realmente o rei ia nu. Os aldrabões já tinham fugido com o dinheiro dos fatos vendidos ao tolo do rei, e tanto este como toda a corte e todos os demais que tinham fingido ver fatos que não existiam, perceberam que afinal uma criança inocente era mais sábia que todos eles juntos.
O mar está a ficar esgotado, os vertebrados a desaparecer nos quatro cantos da Terra, os polinizadores em extinção acelerada, a camada de ozono degradada, o clima a entrar em caos, e nós, indiferentes, como se nada víssemos ou soubéssemos, continuamos nas nossas vidinhas rotineiras, achando que tudo vai magnificamente bem, como os outros fingiam não ver que o rei ia realmente nu.
Desta vez não foi um menino, mas antes uma menina, e não disse nada que nós não soubéssemos há muitos anos: estamos a destruir o planeta, numa total indiferença por nós mesmos, pelos nossos, por todos os jovens de hoje e por todos os outros que estão ainda por nascer. Possivelmente foi por ter tido consciência disto que a menina se tornou tão persistente, tão obstinada, e fez da causa do futuro da Terra a razão da sua vida. Mas nós olhamos e não vemos, ou melhor, fingimos que não vemos, como o viciado que a cada dia que passa sente que a saúde mais se degrada, mas escravo do seu vício, é incapaz de mudar. Também nós, viciados no consumo, num modo de vida docemente inebriante, temos sido incapazes de alterar as nossas rotinas, e deixamos os dias e os anos passar, sem coragem nem determinação para mudar o que sabemos que tem que ser mudado.
Há também, como nos viciados mais empedernidos, os que tentam negar a dependência do vício, ou negam o próprio vício como problema. Dizem que afinal as coisas nem sequer estão assim tão mal, que o mar tem ainda muito peixe, que os animais e plantas não se estão a extinguir, ou que é apenas em pequena escala, coisa normal, que as mudanças no clima resultam de causas naturais, que é mesmo assim, que o clima sempre foi inconstante, e que portanto temos é que continuar na nossa vidinha de todos os dias, vendo a novela e o futebol, e sobretudo consumindo cada vez mais, que nada temos a fazer.
Entre estes há muitos dos que não fazem nem nunca fizeram nada para proteger o planeta, e antes se comportam de modo predatório e egoísta num desprezo total pelo futuro da humanidade e da vida na Terra. São os primeiros a vir a terreiro criticar a menina sueca que colocou sem medo o dedo na ferida dizendo que tínhamos que pensar e mudar. Dizem eles que a menina tem "Síndrome de Asperger" (como quem diz que a sua teimosia é uma doença e não tem uma causa válida), que anda de barco porque gosta de velejar, e portanto não é mais que uma "menina rica e mimada", que não sabe o que diz e que nem sequer cumpre o seu dever mais básico, que é de ir à escola… E tudo serve para denegrir quem afinal, como a criança da história, diz apenas o que todos sabemos e temos medo de assumir.
Podem todos, de uns para os outros fingir. Fingir que não vêm que o para-brisas do carro já quase não tem insetos mortos quando chegam de uma viagem longa; podem fingir que é normal que seja difícil criar comida nos campos sem que a química seja utilizada; podem continuar a fingir que se pode pescar mais milhares de milhares de toneladas todos os anos, dizendo que há muita gente a viver da pesca e que nada se pode fazer em contrário; podem continuar a fingir que já é impossível viver sem plásticos; podem continuar a fingir que pensam que as alterações do clima são uma ficção, e não uma realidade que já se sente bem; podem continuar a fingir que é normal que o consumo desnecessário e compulsivo seja a base da nossa economia; podem continuar a fingir que não estão a ver que andando neste caminho nos estamos a dirigir para mudanças irreversíveis que nos conduzirão a um caos inevitável.
Mas um dia, quando tentarem voltar atrás e perceberem que já não é possível evitar o pior, vão lembrar-se da menina que na sua inocência lúcida e persistente nos avisou a todos que era hora de mudar.

O autor utiliza o novo
Acordo Ortográfico



Outros artigos de Fernando Almeida

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - terça, 27/07/2021
Ministra da Coesão inaugurou
espaço de coworking em Odemira
A ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, inaugurou nesta segunda-feira, 26, o novo espaço de coworking de Odemira, instalado no Centro de Investigação e Inovação.
07h00 - terça, 27/07/2021
Politécnico de Setúbal
vai abrir escola em Sines
O Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) e a Câmara de Sines assinaram nesta segunda-feira, 26, um protocolo de colaboração, visando a instalação de uma escola superior na cidade do Alentejo Litoral.
07h00 - terça, 27/07/2021
OP de Odemira com
51 propostas em 2021
Um total de 51 propostas de investimento público foram apresentadas pela população do concelho de Odemira no âmbito do processo do "Orçamento Participativo" (OP) de 2021, 22 das quais para o processo promovido pela Câmara Municipal e as restantes 29 para os processos das freguesias.
07h00 - segunda, 26/07/2021
PS apresenta
candidatos no
concelho de Odemira
A candidatura "Por Odemira", do PS, apresenta nesta segunda-feira, 26, os seus candidatos no concelho nas próximas eleições Autárquicas, assim como "as principais linhas" do programa eleitoral com que vai a votos.
07h00 - segunda, 26/07/2021
André Filipe Costa
venceu a Ultra
Maratona Atlântica
O atleta André Filipe Costa, inscrito como individual, foi o grande vencedor da 16ª edição da Ultra Maratona Atlântica Melides-Tróia, promovida pela Câmara de Grândola na manhã deste domingo, 25.

Data: 16/07/2021
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial