12h41 - quinta, 09/04/2020

Estado de Emergência


Carlos Pinto
Desde o dia 20 de Março que Portugal está em estado de emergência. Um momento (quase) inédito num tempo de único como é este, em que a pandemia da Covid-19 transfigurou por completo as nossas vidas. Serão poucos os que, nascidos neste cantinho da Europa, terão passado situação semelhante. Privação de circulação, comércio e empresas fechadas, futuro altamente incerto… Não se trata de uma guerra bélica, mas o momento é indiscutivelmente de combate: pela saúde pública e pela forma como todos nos relacionamos enquanto cidadãos e membros (desejavelmente activos) de uma comunidade.
Mas este é, também, um estado de emergência para a economia. Porque qualquer guerra tem um efeito imensamente nefasto naquilo que é a criação de valor e de riqueza de cada país e o combate à Covid-19 não é excepção, bem pelo contrário. Ultrapassada a pandemia – que acontecerá seguramente – teremos todos que nos confrontar com uma economia arrasada, com as empresas e famílias depauperadas (senão mesmo falidas no primeiro caso) e com enorme uma imensa falta de liquidez para os compromissos mais imediatos.
Urge, pois, que sejam já tomadas as indispensáveis providências que aplaquem o impacto que se prevê. Nesse plano, é de aplaudir o rol de medidas que todas as autarquias – nomeadamente as do Alentejo Litoral – têm vindo a adoptar para minimizar os efeitos da anunciada crise. Também o Governo se tem desdobrado (umas vezes da forma correcta, noutras ficando aquém do necessário) em lançar novos instrumentos de apoio, sobretudo fiscais mas também financeiros, às famílias e empresas.
Mas "apenas" isto não chega. É preciso mais. É preciso mais por parte da banca, mas também da União Europeia (UE), que terá inevitavelmente de assumir um papel preponderante na construção de uma nova Europa pós-Covid-19. Nunca como agora os princípios que nortearam a fundação da UE, assentes na solidariedade entre povos, fizeram tanto sentido como hoje. Neste estado de emergência precisamos urgentemente de mais União Europeia. Ou esta deixará de fazer sentido tal como hoje existe…



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 30/09/2020
Governo apresenta
Plano Estratégico
do Porto de Sines
O ministro das Infra-estruturas e da Habitação vai estar nesta quarta-feira, 30, em Sines, na sessão pública de apresentação do Plano Estratégico do Porto de Sines, que vai decorrer a partir das 10h00 no auditório da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS).
07h00 - quarta, 30/09/2020
Acção judicial avança em
defesa do Parque Natural
O movimento de cidadãos "Juntos pelo Sudoeste", juntamente com a Associação Foz do Mira, apresentou, na passada semana, uma acção judicial no Tribunal Administrativo e Fiscal de Beja, no sentido de garantir a defesa dos valores do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV).
07h00 - quarta, 30/09/2020
João Morgado é o
vencedor do prémio
"Manuel da Fonseca"
João Morgado, da Covilhã, venceu a 13ª edição do Prémio Nacional de Conto "Manuel da Fonseca",promovido pela Câmara de Santiago do Cacém, com a obra Contos de Macau.
07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial