16h31 - quinta, 23/04/2020

Os riscos da emergência


Carlos Pinto
Desde o dia 18 de Março que Portugal se encontra em situação de Estado de Emergência, por decreto do Presidente da República. Uma decisão aprovada pela Assembleia da República, e já renovada por duas vezes (esperando nós que por aí fiquemos), que teve por base a "situação excepcional que se vive e a proliferação de casos registados de contágio de Covid-19" no nosso país.
Foi este enquadramento que levou à aplicação "de medidas extraordinárias e de carácter urgente de restrição de direitos e liberdades, em especial no que respeita aos direitos de circulação e às liberdades económicas, em articulação com as autoridades europeias, com vista a prevenir a transmissão do vírus", justificou o Governo no decreto que regulamentou a aplicação do primeiro Estado de Emergência, aludindo à "prioridade" de "prevenir a doença, conter a pandemia, salvar vidas e assegurar que as cadeias de abastecimento fundamentais de bens e serviços essenciais continuam a ser asseguradas".
O decreto deixava ainda bem vincada uma garantia a todos os portugueses: durante o Estado de Emergência "a Democracia não poderá ser suspensa, numa sociedade aberta, onde o sentimento comunitário e de solidariedade é cada vez mais urgente".
Volvidas estas semanas, e conhecidos todos os números divulgados diariamente pela Direcção Geral da Saúde (21.982 casos positivos em Portugal até quarta-feira, 22, dia do fecho desta edição do "SW"), é por demais evidente que este foi o caminho correcto. Mas é também claro que toda esta situação comportou vários riscos e trouxe ao de cima alguns posicionamentos altamente lamentáveis, sobretudo no plano político, onde o populismo barato e recauchutado galgou a onda da impaciência que, aqui e ali, se foi instalando entre os portugueses obrigados ao confinamento.
É preciso, portanto, voltar à normalidade possível neste tempo anormal. É preciso que todos percebamos que, passado este momento de excepção, temos de continuar a zelar pela liberdade que celebramos há 46 anos. E, sobretudo, é preciso evitar que nos deixemos encantar pelo "canto de sereia" de demagogos baratos, que falam, falam, falam… mas não dizem nada!



Outros artigos de Carlos Pinto

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 30/09/2020
Governo apresenta
Plano Estratégico
do Porto de Sines
O ministro das Infra-estruturas e da Habitação vai estar nesta quarta-feira, 30, em Sines, na sessão pública de apresentação do Plano Estratégico do Porto de Sines, que vai decorrer a partir das 10h00 no auditório da Administração dos Portos de Sines e do Algarve (APS).
07h00 - quarta, 30/09/2020
Acção judicial avança em
defesa do Parque Natural
O movimento de cidadãos "Juntos pelo Sudoeste", juntamente com a Associação Foz do Mira, apresentou, na passada semana, uma acção judicial no Tribunal Administrativo e Fiscal de Beja, no sentido de garantir a defesa dos valores do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV).
07h00 - quarta, 30/09/2020
João Morgado é o
vencedor do prémio
"Manuel da Fonseca"
João Morgado, da Covilhã, venceu a 13ª edição do Prémio Nacional de Conto "Manuel da Fonseca",promovido pela Câmara de Santiago do Cacém, com a obra Contos de Macau.
07h00 - terça, 29/09/2020
ABC de Santo André
na 1ª divisão nacional
de basquetebol
A equipa do Atlético Basquete Clube (ABC) de Santo André? venceu no domingo, 27, os Salesianos do Estoril por 75-60, garantindo a subida ao campeonato nacional da 1ª divisão da modalidade.
07h00 - terça, 29/09/2020
Alcácer do Sal
mantém IMI mais baixo
do distrito de Setúbal
A Câmara de Alcácer do Sal vai manter em 2021 a taxa de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) nos 0,3% para os prédios urbanos, naquele que é o valor mais baixo praticado pelas autarquias em todo o distrito de Setúbal.

Data: 18/09/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial