15h18 - quinta, 08/04/2021

Em Abril, águas mil?


António Martins Quaresma
Lentamente, as brandas chuvas de Janeiro e Fevereiro fizeram subir os baixos níveis das barragens de Corte Brique e Santa Clara, no concelho de Odemira. A de Santa Clara recobrou cerca de 10 pontos percentuais e atingiu os 51%, com 249.772.080 m3 de volume de água armazenado. Mas, no dia 12 de Março, quase um mês depois de ter cessado a chuva, os barrancos praticamente deixaram de correr e a recuperação parou. Logo depois, o nível da água da barragem iniciou nova descida. 1
Ao contrário do que sucedeu noutras bacias hidrográficas, como a do Guadiana (ver barragem de Alqueva), a meteorologia continuou pouco favorável nas do Mira e do Sado. Na realidade, houve precipitação considerável no país, mas na área do Alto Sado e do Alto Mira, não tanto2, situação agravada pela seca severa em que se encontrava. O regime pluvial, que se caracterizou pela baixa intensidade da precipitação, trouxe decerto vantagem na infiltração no solo, mas não foi favorável às "afluências" hídricas à barragem, como, em conversa com o autor desta crónica, frisou o Eng. Manuel Amaro.
Deste modo, a recuperação da barragem de Santa Clara, atendendo a que o Inverno terminou, é modesta. A menos que os meses de Abril e Maio venham acompanhados de chuva significativa, como é sua tradicional "obrigação", as coisas não se apresentam famosas.
Como se sabe, a água da barragem de Santa Clara tem três tipos de utilização: agrícola, industrial e doméstica. Obra de hidráulica agrícola, o seu primeiro emprego foi na agricultura, onde continua a ser gasta a maior parte da água. Entretanto, dando resposta à necessidade de laboração das minas Neves-Corvo, foi feita uma ligação a estas minas. Há ainda o abastecimento doméstico, um uso que tem crescido e que beneficia as freguesias do litoral. Segundo o presidente da ABM, saem, por ano, cerca de 55 milhões de metros cúbicos de água, que contemplam estes fins, bem como as perdas devidas por exemplo à evaporação.3
Recentemente, tem sido dada ênfase na comunicação social ao grande "desperdício" de água, lançada no mar no término dos canais de irrigação, mas nada de novo, pois trata-se de uma característica do sistema, construído há mais de 50 anos. A sua inversão exige largo investimento e maior consumo de energia.
Neste momento, a reserva de água está à cota 114, pouco mais ou menos, já a entrar no designado "volume morto", isto é, quando deixa de correr por gravidade e é necessário bombear para a extrair da barragem, aumentando o custo de exploração e, naturalmente, fazendo surgir preocupações.
Sem procurar apresentar soluções, para as quais não tenho competência técnica, parece-me que, em termos gerais, à adversa situação climática, onde se encontra o cerne do problema, a resposta terá de passar por um plano integrado e tecnologicamente apoiado, que contemple não só a eficiência do sistema de armazenamento e fornecimento, mas também a otimização e a racionalização dos consumos.
Contudo, a questão da água deve de ser vista a uma escala mais vasta. Na sequência de vários avisos lançados nos últimos anos, um recente relatório da ANP-WWF, entidades independentes dedicadas ao estudo dos impactos das mudanças do clima, divulgado por alguns órgãos de comunicação social, chama a atenção para um facto que, cada vez mais, parece indesmentível: na Península Ibérica, um território criticamente vulnerável às alterações climáticas, as fontes hídricas e os sistemas de reservatórios, canais e transvases encontram-se já sob stresse. Inclusive, o expediente de extrair águas subterrâneas, para compensar a sua falta à superfície, tem levado a exploração da água, quantas vezes incontrolada, ao seu "último reduto". 4
Os recursos aquíferos, explorados ao limite, ou quase, exigem aprimoramento na sua gestão, informado por nova visão que haja assimilado a problemática das alterações climáticas e a noção clara de que a água doce disponível é um bem essencial e é cada vez mais escasso.
Enquanto isso não acontece, o discurso sobre o assunto não pode deixar de ter pendor pessimista.



Outros artigos de António Martins Quaresma

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado

07h00 - quarta, 08/12/2021
PSD aprova listas
de candidatos para
as Legislativas 2022
As listas do PSD para as próximas eleições legislativas, agendadas para o dia 30 de Janeiro, foram aprovadas nesta terça-feira, 7, numa reunião do Conselho Nacional do partido realizada em Évora.
07h00 - quarta, 08/12/2021
Comissão de Utentes
realiza plenário
em Canal Caveira
A Comissão de Utentes dos Serviços Públicos do Concelho de Grândola promove nesta quarta-feira, 8, pelas 15h00, um plenário com a população de Canal Caveira, que contará com a presença do presidente do Sindicato dos Médicos da Zona Sul, João Proença.
07h00 - terça, 07/12/2021
Câmara de Santiago do Cacém com
orçamento de 40,7 milhões em 2022
A Câmara de Santiago do Cacém aprovou para 2022 um orçamento no valor de 40,7 milhões de euros, valor que representa um aumento de mais de 1,8 milhões de euros face ao valor do orçamento deste ano.
07h00 - terça, 07/12/2021
Alcácer do Sal
entregou prémios
de mérito a alunos
A Câmara de Alcácer do Sal atribuiu, no final da passada semana, o Prémio Municipal de Mérito Escolar a nove alunos do concelho, pela sua "prestação escolar brilhante" no ano letivo de 2020-2021.
07h00 - terça, 07/12/2021
Grândola promove
campanha de Natal
no comércio local
Mais de 60 lojas do concelho de Grândola aderiram ao programa "Eu Compro Em Grândola, Natal é no comércio local", promovido pela Câmara Municipal em parceria com a Associação de Comércio, Indústria, Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal (ACISTDS) e as juntas de freguesia.

Data: 26/11/2021
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial